• Jorge Bernardes

Mais sorrisos intemporais - More timeless smiles


{scroll down for English}

Fui novamente visitar um lar de terceira idade para poder fazer retratos das pessoas que lá vivem. Desta vez até à Associação Humanitária da Barosa. Lá fui bem recebido por quem lá trabalha que, com entusiasmo, me ajudaram a preparar o que seria um dia diferente para os que iriam ser fotografados.

No espaço de uma manhã e duas tardes fotografei várias pessoas, algumas individualmente e outras também com a companhia de alguns familiares que as visitaram para aparecerem em alguns retratos também.

Nota-se que independentemente da idade há coisas que se mantêm. Alguns de nós estamos mais à vontade quando nos fotografam e outros ficam mais nervosos e retraídos. É curioso ver que na maior parte dos casos quando juntamos um amigo ou familiar, os nervosos descontraem e os descontraídos alegram-se ainda mais.

Mesmo quando amigos ou familiares não estão presentes apenas a menção dos mesmos traz sorrisos à cara das pessoas. Por isso é que muitas das vezes gosto de conversar e perguntar nesse sentido. Saber quem é o familiar ou amigo que vai receber uma foto deles.

As ligações entre nós vão mais longe do que a presença física, e a memória de alguém por vezes alegra-nos quase tanto quanto a sua presença. Mas nunca é exactamente a mesma coisa.

Falar ao telefone ou pela internet é melhor do que não ter contacto, é. Mas não é a mesma coisa que estar presente dar um abraço ou um beijo.

Portanto se puderem estar presentes, estejam. Abracem e beijem e façam mais memórias para quando não puderem estar.

-

Once again I visited a retirement home so I could make some portraits of the people living there.

This time I went to Associação Humanitária da Barosa. I was welcomed by those who work there that, with enthusiasm, helped me prepare what would be a different day for those that would be photographed.

During a morning and two afternoons I photographed several people, some individually and others also with the company of some relatives that visited them so they could be in the portraits too.

It is noticeable that independently of age there are things that stay true. Some of us are more at ease when we are photographed and others are more nervous and held back. It is curious to see that in most cases when we add a friend or relative, the nervous ones relax and the relaxed ones cheer up even more.

Even when the friends or relatives are not present just their mention brings smiles to people's faces. That's why I often like to chat and ask about them. Try to find out who is the relative or friend that is going to get a picture of them.

The connections between us go beyond physical presence, and the memory of someone sometimes can cheer us up almost as much as their presence. But it is never exactly the same thing.

Speaking on the phone or through the internet is better than not keeping in touch, it is. But it is not the same thing as being present and giving a hug or a kiss.

Therefore if you can be present, do so. Hug and kiss and make more memories for when you can't be there.


  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Pinterest Icon
  • Black Instagram Icon

© 2015-2020 by Jorge Bernardes, Leiria, Portugal